Recursos online e metodologias para utilizar durante a crise do coronavírus

por | mar 27, 2020 | Artigo, EAD, Formação de Professores, TICs

Esse é um momento que famílias e comunidade escolar precisam de apoio. Como falamos em nosso último artigo, muitas escolas, seguindo a portaria nº 343/2020 do MEC, optaram por dar continuidade ao ano letivo com aulas a distância. 

Sabemos que esse é um momento atípico para educadores e alunos: fora dos grandes centros, a maior parte dos estudantes não pode contar com acesso à banda larga e computador. A operacionalização pressupõe, portanto, o uso de celular e de formas de comunicação compatíveis com a rede 3G ― para materializar essa necessidade, considere que a PNAD Contínua informou que 77,1% da população brasileira com 10 anos ou mais possui celular próprio. 

Assim, fizemos uma curadoria de vídeos no YouTube e outras estratégias utilizando aplicativos que já fazem parte do cotidiano dos alunos, funcionando mesmo em internet móvel. Práticos, esses conteúdos podem ser o passo inicial em projetos, estudos de caso ou problemas.

Coordenação e direção 

É muito importante contar com o apoio dos pais nessa fase e, sobretudo, entender que o quão grande é a influência do ambiente doméstico para crianças e jovens. Por isso, é importante que o professor e a coordenação escolar continuem em contato com os pais, prestando solidariedade, apoio e informações de qualidade.

Escolas podem trabalhar por projetos interdisciplinares, para evitar rotinas muito massantes de aulas por videoconferência. Em redes que não contarão com dia letivo durante a quarentena, é importante indicar que vão haver pontos extras no retorno das atividades.

Uma boa opção é criar um grupo no WhatsApp apenas para enviar informações e lembretes da escola, em que apenas os administradores possam enviar mensagens. Não sabe como fazer? Então clique aqui e confira um tutorial rápido. 

Lembre-se de manter disponíveis os demais canais de comunicação da escola, como e-mail e telefone, mesmo que utilizando outro número, ok? 

Artes

Uma disciplina que pode ser tratada como um tema transversal. Aqui o professor pode utilizar grupos de Whatsapp, Telegram, Facebook  etc. para enviar atividades, determinando as datas e os meios de entrega. O único imperativo é não exigir recursos específicos. 

O importante é que o professor esteja atento à realidade particular das turmas em que trabalha. Se todos dispuserem de algum material de papelaria, ótimo. Se não, pode sugerir composições fotográficas com objetos domésticos. Também é a hora de desenhar com o disponível, seja caneta BIC ou o lápis.

Para o professor se inspirar e potencialmente passar para seus alunos, a Faber Castell disponibilizou de graça o combo Em casa com a Faber Castell, com vários cursos de desenho e caligrafia. Uma opção é pedir para os alunos realizarem cursos, aceitando o certificado como avaliação. Outra é encomendar algum tipo de atividade e avaliar com fotos, o que pode ser feito mesmo sem essa plataforma de apoio.

Além de atividades mais mão na massa, o professor pode usar o site Era Virtual para fazer Visitas Virtuais a Museus, Exposições Temporárias e Patrimônios Culturais, que abrangem vários estilos artísticos, temas e ciências.

Biologia

Uma disciplina que talvez tenha se tornado ainda mais relevante agora. Se a comunidade escolar for receptiva, é um bom momento para debater como surgem, disseminam e são tratadas doenças como o novo coronavírus. 

Entre os canais que professores e alunos podem consultar no período estão:

  • O Nerdologia, um dos principais canais de divulgação científica do Brasil. Com pesquisa confiável, conteúdo gráfico cativante e narração engajada, tem potencial de atrair a atenção dos mais jovens. 
  • O Atila Iamarino, criador do Nerdologia, é biólogo e pesquisador em justamente virologista. Durante esta crise, ele tem lançado vídeos muito informativos sobre o COVID-19 também em seu canal pessoal. Além disso, ele utiliza a plataforma Telegram para elencar todos os vídeos e trazer outras informações. 
  • A OMS disponibilizou no WhatsApp o canal WHO Health Alert, que traz informações atualizada sobre o Covid-19 no mundo. O material está em inglês, então que tal uma parceria com o professor de língua estrangeira? 

Educação Física

Apesar da suspensão geral das aulas em muitas escolas, este é um momento bom para incentivar os alunos a encontrarem uma atividade física prazerosa para fazer em casa que não seja um esporte de contato. Essa pode ser uma ótima oportunidade para incentivar novas experiências. 

  • Para ajudar a relaxar, indicamos no YouTube o canal Yoga para crianças ― além de ser muito fofo, traz vários desafios que podem ser propostos aos menores.
  • Para os adolescentes, a Smart Fit disponibilizou várias aulas online gratuitamente, inclusive para quem não assina o serviço. 
  • O Nike Trainning é o aplicativo para exercícios físicos da Nike. O professor de Educação Física pode propor que o estudante grave um vídeo realizando a aula que preferir por lá.

Educação Infantil

Para quem ensina bebês, uma boa alternativa para orientar atividades aos pais é utilizar o aplicativo Kinedu, que indica atividades de desenvolvimento de acordo com o estágio de cada pequeno. Eles também produzem conteúdo em seu blog sobre o assunto.

No YouTube, uma boa pedida é o Ensinando meu filho, que tem conteúdos que vão desde letramento e aprendizado de números até conceitos iniciais de História do Brasil.

Filosofia

Em um momento reflexivo para pessoas, é importante dar apoio aos questionamentos, que vem inclusive das crianças e adolescentes. O canal SciFilo tem uma abordagem que incentiva a curiosidade científica sobre a digressão humana e ensina lógica, argumentação e debate, habilidades fundamentais para combater notícias falsas.

Física

Sim, é possível indicar boas opções para o estudo de Física mesmo nesse período! Entre as opções, estão: 

  • O Canal Física, do Prof. Marcelo Boaro, tem explicações sobre diversos assuntos da disciplina. Para “manter a mente ativa aprendendo” na fase de distanciamento social, o educador está disponibilizando lives todos os dias. Vale acompanhar.
  • O canal FÍSICA FÁBRIS realmente transporta quem está assistindo para uma sala de aula, com direito a quadro branco e professor explicando pessoalmente. Assim, o(a) vestibulando(a) pode ter facilidade em manter sua rotina regular de estudos.

Geografia

  • O IBGE educa é um portal da instituição voltada para o ensino de crianças e jovens. O portal disponibiliza inúmeros mapas e informações de diversos temas sobre o Brasil, como população, recursos naturais e economia. Há também uma parte exclusiva com materiais e sugestões para professores. 
  • A TV Folha é um canal no Youtube produzido pelo jornal Folha de São Paulo que disponibiliza centenas de entrevistas, reportagens e documentários sobre temas variados, como política, meio ambiente e economia. É ótimo para permitir aos alunos ter contato com realidades diferentes das que estão habituados. Além disso, o jornal disponibilizou gratuitamente uma assinatura anual para professores da rede pública.
  • O IBGE Explica é uma playlist do canal do IBGE no Youtube que se propõe a explicar alguns indicadores e ferramentas que a instituição utiliza para fazer seus estudos. Os vídeos são animados, com exemplos práticos em uma linguagem bastante simples. É bem interessante para que os alunos possam entender algumas indicadores como PIB, inflação, expectativa de vida, fecundidade, entre outros assuntos referentes à população brasileira.

História

  • O canal Se Liga Nessa História tem aulas que cobrem os principais conteúdos da disciplina, além de vídeos sobre Literatura, Gramática, Redação e Filosofia. Com bom humor e desenvoltura, os professores prendem a atenção de quem está assistindo, fazendo até quem não gosta de Humanas e Linguagem ficar entretido.
  • Para temas mais específicos e, por vezes, curiosos, temos também o Nerdologia História, que é um segmento dentro do canal Nerdologia, já citado. Assim como os vídeos em geral do canal, esta série conta com um pesquisador sério e uma linguagem acessível que engaja o aluno com recursos visuais e narração cativante.

Redação

Uma das melhores formas de inserir Linguagens em projetos nessa fase é treinar temas de redação que envolvam assuntos como saúde pública, cooperação internacional, estatística e imprensa. Como esses assuntos têm sido tão abordados nos lares e na internet, pode ser uma boa oportunidade para treinar as técnicas de redação e ao mesmo tempo elaborar uma opinião sobre as informações já disponibilizadas. Para o professor, a curadoria dos textos de apoio também pode ser uma boa oportunidade de entregar informação de qualidade para os estudantes.

Literatura

Para projetos de Literatura, a Amazon disponibilizou uma série de eBooks gratuitos em seu site. Dentre eles, alguns clássicos da literatura brasileira, como Macunaíma, Memórias Póstumas de Brás Cubas, Iracema, dentre outros. Também há opções de HQs e leituras em inglês para cursos avançados. Lembrando que esses títulos podem ser lidos não só através do Kindle, e-reader da companhia, mas também pelo aplicativo, disponível para celulares.

Para discutir as obras, a turma pode se dividir em grupos, por título de preferência, realizar a leitura e apresentar suas considerações para os demais colegas via videoconferência em apps como o Discord. Uma opção mais acessível é realizar uma redação (que pode ser fotografada e enviada via Whatsapp) ou uma prova via Google Forms como instrumento avaliativo.

Outra dica é a indicação de canais no YouTube que discutem literatura, como o Cabine Literária e o Ler Antes de Morrer. É possível discutir essas obras a partir de resenhas de outras pessoas, debatê-las e complementá-las.

Gramática

Em um canal com muito alto astral, super didático e descontraído, o Professor Noslen ensina vários conteúdos de Língua Portuguesa. No canal dele estão disponível tanto conteúdo mais direcionados (como o emprego da crase) quanto abordagens mais conceituais, como vídeos sobre análise sintática, transitividades verbal, e por aí vai.

Matemática

Voltado para vestibulandos, o canal Matemática Rio com Prof. Rafael Procópio tem resolução de várias edições do ENEM, curiosidades matemáticas e dicas sobre assuntos específicos. Já o Matematica Genial também abarca conteúdos de Ensino Fundamental, com vídeos no modelo de narração sobre quadro negro digital. 

O GeoGebra é uma plataforma gratuita que trabalha com Geometria e Álgebra, onde esses conteúdos podem ser expressos graficamente, tornando a ideia menos abstrata. Existem alguns aplicativos dentro da plataforma, como Calculadora Gráfica, Geometria Clássica (plana) e Geometria em 3D. Além disso, também é possível ter acesso a materiais confeccionados por outros usuários, acessar os aplicativos online ou baixá-lo no computador e também utilizá-lo no smartphone. No smartphone, inclusive, é possível visualizar as construções em realidade aumentada, o que torna a experiência bem interessante.

A Khan Academy é uma organização sem fins lucrativos que disponibiliza cursos e vídeos dos mais diversos níveis em muitos temas. Com a maior parte do material voltado para matemática e áreas correlatas, conta com vídeos e exercícios em uma plataforma intuitiva. Além do próprio site, também disponibilizam conteúdo em várias línguas no YouTube. Para acessar a versão brasileira, clique aqui.

Química

O canal Química com Prof. Paulo Valim – Ciência em Ação tem o conteúdo voltado para ENEM e Vestibulares. Também produziu conteúdos dando dicas para continuar a preparação nesse momento de casa. O professor Marcelão da Química também tem um canal voltado para exames e trabalha com o estilo de vídeo aulas tradicionais, cobrindo os principais temas da disciplina.

Sociologia

Essa é uma disciplina que dá margem para muitas discussões a respeito da economia e sociedade civil, sobretudo em períodos de crise. Pode ser útil, para inserir problemáticas, começar pela definição de conceitos. Um material útil para isso são os vídeos da socióloga Sabrina Fernandes. Apesar de não ser voltado primariamente para a educação, ela tem uma playlist com conceitos sociológicos, chamada Glossário, no seu canal, o Tese Onze.

 

Com essas dicas, é possível realizar vários projetos pedagógicos para enfrentar esse momento de exceção. Deixamos também como dica repensar a quantidade de conteúdo inicialmente planejada. É um momento de pressão psicológica também para crianças e adolescentes e, com as limitações dos recursos digitais em experimentação, pode ser o caso de diminuir o currículo para alcançar melhores resultados. Adiar a abordagem de outros assuntos para entender melhor a pandemia, suas soluções e repercussões também pode ser uma boa pedida.

O importante é fazer um esforço coletivo pela saúde física e mental de toda a comunidade escolar. Só assim as crianças do nosso país estarão logo de volta para o lugar que é feito para elas, a escola.


Contribuíram para este artigo: Sara Lemos, Tabatha Pinheiro, Luiza Lara, Luiz Felipe Fonseca Soares, Ramon Infante Rocha, Júlia Sette, Mariah Maia e Pérola Lannes. 

Avatar