Escolha uma Página

Quando falamos de habilidades socioemocionais, estamos falando de desenvolvimento integral enquanto seres humanos. Na educação, isso extrapola as funções básicas da escola — transmissão de conhecimento e posterior avaliação —, buscando fortalecer as variadas competências dos educandos.

A leitura, quando realizada de maneira reflexiva, treina aptidões mentais, conduz ao pensamento crítico, ensina sobre empatia e liberdade. Nas palavras de Foucambert (1994):

Ser leitor é querer saber o que se passa na cabeça de outro, para compreender melhor o que se passa na nossa. Essa atitude, no entanto, implica a possibilidade de distanciar-se do fato, para ter dele uma visão de cima, evidenciando um aumento do poder sobre o mundo e sobre si por meio desse esforço teórico. Ao mesmo tempo, implica o sentimento de pertencer a uma comunidade de preocupações que, mais que um destinatário, nos faz textos, seja um manual de instruções, seja um romance, um texto teórico ou um poema.

No processo de alfabetização infantil, o professor tem um papel ativo no desenvolvimento dessas habilidades. É o momento em que a criança está desenvolvendo seu vocabulário, a motivação para a leitura e seu repertório cultural. Portanto, é o momento ideal para introduzir, de forma lúdica, questões que retratem o lugar da criança no mundo e seu relacionamento com elas.

Leia Mais: 

– 6 educadoras brasileiras que você precisa conhecer
– Como a publicação independente pode ajudar no incentivo à Literatura?
– Literatura em Quadrinhos e o Estímulo à Leitura: um relato

O atual contexto social brasileiro urge a leitura e o pensamento críticos sobre diversos assuntos, com especial atenção para a discriminação de raça e gênero, além da delicada questão dos refugiados no país. Pensando nisso, separamos uma lista de livros infantis que os professores podem trabalhar em sala de aula para introduzir esses temas aos pequenos. Confira:

 

Malala, A Menina Que Queria Ir Para A Escola

A jovem paquistanesa que lutou pelo direito se ir à escola e foi baleada por conta disso é o tema desta história. Além de contar a história de Malala, o livro também traz informações bacanas sobre o lugar em que ela nasceu, contextualizando a vida dessa corajosa garota. O livro é da autora Adriana Carranca Corrêa, publicado pela Companhia das Letrinhas.

 

Amoras

Criado pelo rapper Emicida, o livro é inspirado na música Amoras, que ele compôs para sua filha. Com referências à religião e à cultura afro, a obra contempla assuntos como preconceito, representatividade e autoestima. Publicado pela Companhia das Letrinhas.

 

Não Me Toca, Seu Boboca!

Melódico e divertido, o livro conta a história de Ritoca, que acaba tendo problemas quando um tio gentil e sorridente tenta se aproximar demais. De forma lúdica, ensina as crianças sobre consentimento, violência sexual e como evitá-la. Autoria de Andrea Taubman, com ilustrações de Thais Linhares. A publicação foi feita pela editora Aletria.

 

A Viagem

Uma belíssima obra do catálogo da V&R editoras. Inspirado em relatos reais de refugiados, o livro é narrado a partir do ponto de vista de uma criança. Fala sobre esperança e o medo do desconhecido. A autoria é de Francesca Sanna.

 

O Mundo no Black Power de Tayó

Tayó é uma criança negra que tem muito orgulho de seu cabelo black power. É a partir dessa premissa que Kiusam de Oliveira desenvolve a história, apresentando uma personagem carismática e capaz de resistir a todo preconceito que enfrenta na escola. O livro foi publicado pela editora Peirópolis.

 

Flicts

O atemporal livro de Ziraldo descreve a vida de Flicts, uma cor solitária que não se encaixa em lugar nenhum. Delicada, a narração de Ziraldo mostra que cada pessoa tem seu lugar no mundo, e merece ser tratada com respeito e empatia. A publicação é da Melhoramentos.


Soraya Coelho

Pós-graduada em Book Publishing pelo Instituto Singularidades e Analista de Marketing Digital da área de Formação de Professores na SOMOS Educação.