Em artigos anteriores, falamos sobre desenvolvimento socioemocional por aqui, contextualizando-o na sociedade contemporânea, mostrando a falsa dicotomia que há entre ensino de competências e ensino de conteúdos e trazendo o que dizem as pesquisas sobre as competências socioemocionais. Mais uma vez, trazemos este tema, por considerá-lo tão importante.

Professoras e professores das diferentes áreas do conhecimento já incorporam em suas práticas pedagógicas aspectos que promovem o desenvolvimento socioemocional, seja de forma intuitiva ou intencional. Ao trazer luz para o tema, buscamos garantir espaço no processo de ensino-aprendizagem para que esse desenvolvimento aconteça a partir de um processo intencional, por meio de interações planejadas e de forma integrada ao currículo, tornando-se mais significativo para os estudantes.

A escola é um espaço privilegiado para que esse desenvolvimento aconteça e, por isso, é importante que existam políticas e práticas que levem em consideração o desenvolvimento integral dos estudantes em todos os espaços e tempos escolares. Essa visão deve ser levada em consideração, por exemplo, ao se criar o Projeto Político Pedagógico da escola

a equipe gestora da escola deve garantir que a visão de desenvolvimento integral seja compartilhada em toda a comunidade escolar, comunicada aos familiares e percebida pelos estudantes.

Nesse sentido, o clima escolar tem especial relevância nas experiências de desenvolvimento dos alunos. O grupo de pesquisa coordenado pelo professor da Loyola University Chicago, Joseph A. Durlak, aponta no livro Handbook of social and emotional learning — Research and Practice algumas ações que podem ser realizadas a fim de criar um ambiente positivo e que favoreça o desenvolvimento socioemocional:

· Criar um grupo com diferentes representantes da comunidade escolar para cuidar do clima e desenvolver regras, valores e expectativas de estudantes e profissionais;

· Desenvolver políticas justas e equitativas em relação à indisciplina;

· Incluir práticas de prevenção ao bullying que promovam oportunidades para os estudantes resolverem conflitos;

· Promover encontros regulares em grupo, para promover oportunidades de trocas, conversas e conexão entre os estudantes.

Na sala de aula

Do ponto de vista do trabalho realizado em sala de aula os pesquisadores indicam que:

“Promover desenvolvimento socioemocional para todos os estudantes em sala de aula envolve ensinar e modelar habilidades sociais e emocionais, promovendo oportunidades para os estudantes praticarem e aprimorarem essas habilidades, e dando oportunidades a eles de aplicar essas habilidades em variadas situações”.

A partir disso, elencamos dois principais caminhos para o trabalho de desenvolvimento de competências socioemocionais em sala de aula. Sempre que possível, recomendamos que a escola e o material didático que tenham como premissa o desenvolvimento integral dos estudantes percorram as duas possibilidades.

1. Integrado aos Componentes Curriculares

No trabalho com os componentes curriculares, os materiais didáticos devem trazer oportunidades para desenvolver competências e habilidades intra e interpessoais, a partir das sugestões propostas de trabalho com o conteúdo de cada componente. É essencial que professoras e professores sejam incentivados a promover o desenvolvimento socioemocional identificando oportunidades nas diferentes atividades sugeridas, utilizando metodologias ativas e aperfeiçoando seu papel como mediadores do conhecimento e aprendizagem.

Professoras e professores podem também promover o desenvolvimento de competências e habilidades (tanto cognitivas quanto socioemocionais), independentemente da metodologia escolhida, ao colocarem em prática uma mediação:

· Problematizadora, que faz boas perguntas e instiga o estudante a aprender e pensar criticamente.

· Que valoriza a participação dos estudantes, seus conhecimentos prévios e potencialidades.

· Aberta às diferenças e ao novo, que demonstra confiança e compromisso com a aprendizagem dos estudantes.

· Que incentiva a troca, o trabalho colaborativo e a aprendizagem entre pares.

É essencial que professoras e professores tenham clareza de quais habilidades socioemocionais procuram promover em cada aula, estando essa informação presente no planejamento da aula, junto com os outros objetivos de aprendizagem (referentes ao conteúdo e habilidades específicas do componente curricular).

2. Atividades e tempos específicos

A fim de aprofundar o desenvolvimento socioemocional dos estudantes, além do trabalho integrado com os componentes curriculares, é possível que escolas, gestores e professores decidam separar um tempo específico na grade curricular para trabalhar atividades que promovam essas competências. Este trabalho pode ser feito em um componente novo (não pertencente à Base Comum) ou pode também ser durante o tempo de aula de algum componente curricular tradicional, como nos seguintes exemplos:

· Uma vez por mês, uma aula de matemática será dedicada a uma atividade especificamente voltada para o desenvolvimento socioemocional;

· Uma vez por semana 20 minutos da aula de História será dedicada a trabalhar com essa abordagem).

Nos dois casos, é importante que estejam claros os objetivos de aprendizagem e as habilidades a serem desenvolvidas em cada aula/tempo. A partir destas escolhas, professores podem criar atividades que tenham como objetivo a promoção de experiências que desenvolvam a aprendizagem socioemocional de maneira estruturada e, se possível, sequenciada.


Carol Miranda

Cientista Social e Produtora de conteúdo na área da Educação